Pesquisar

Categorias

Arquivos

Favoritos

O Lugar Certo

 Procurando no Lugar Certo

.

Pedro Tornaghi

.

.

 .

.

 

Há uma tradicional história sufi que fala do dia em que o pacato Nasrudim estava no gramado de sua casa procurando suas chaves quando chegou o leiteiro que, sensibilizado com o ar atônito do companheiro, interrompeu seu trabalho para ajudá-lo na busca. Após quinze minutos, a vizinha simpática e solícita vendo a cena se juntou aos dois que, em pouco tempo, haviam também recebido a adesão do jornaleiro, do quitandeiro e de passantes casuais. No fim do dia, havia uma verdadeira multidão vasculhando o jardim e ninguém encontrava vestígio das chaves, quando um dos participantes do mutirão se lembrou de perguntar “mas Nasrudin, você tem certeza de que perdeu as chaves no jardim?” ao que este respondeu direto e certeiro, como um boxeador, “tenho certeza de que foi dentro de casa que as perdi”; o leiteiro exclamou irritado “mas por que procurá-la aqui então?!” E Nasrudin respondeu à platéia estupefata “procuro-a fora de casa por lá dentro estar muito escuro”.

Todos riem dessa história quando a escutam, pensando-a como uma anedota de um tolo, ou uma historia nonsense. Não nos damos conta de que é o que fazemos constantemente. Cansamos de procurar fora de nós o que está dentro, por que nos parece mais fácil procurar por lá, mesmo que isso torne impossível encontrar. Costumamos procurar a felicidade e a chave de todos os problemas do lado de fora; costumamos procurar a solução para os impasses pessoais e os da coletividade onde eles não podem ser resolvidos.

Talvez seja por isso que tantos tentam salvar o mundo com discretos ou hercúleos esforços e ele continua, insistentemente, cada dia mais perto da destruição das condições de vida humana. E nos perguntamos: onde falha o esforço de tantas pessoas bem intencionadas? Em caras reuniões internacionais tentam-se legislações que impeçam a emissão de gases e o desmatamento, ensaiam-se acordos objetivos que freiem as mais diversas formas de destruição do habitat natural da vida…

O engano está exatamente no foco em providências objetivas. É mais fácil imaginar que com legislações e tratos sociais vamos resolver o problema. Mas para resolvê-lo é preciso saber antes onde ele se origina e assim, conseguir tratá-lo desde a raiz.

Quem destrói a vida certamente é o homem, isso, todos concordam. Então por que não começar por tentar entendê-lo?

O homem viveu cerca de quatro milhões de anos como caçador coletor. Ou seja, sobreviviam melhor os que tivessem capacidade de correr atrás de suas presas. Era uma questão de sobrevivência. Quatro milhões de anos criando um instinto, o de caçador. Nos últimos dez mil anos, com o surgimento gradativo da civilização, os mais preparados para sobreviver passaram a ser, aos poucos, aqueles que possuíam terras. Seres sedentários passaram a mandar no planeta. Mas, o que foi feito do instinto de caçador?

Nada. Ele continua onde sempre esteve. Nas entranhas e nas garras do ser humano, que ainda não sabe como lidar com ele nas novas circunstâncias. Por vezes esse instinto surge no rapaz que trata agressivamente a moça que passa por ele, tentando fazer dela sua caça; por vezes quando uma pequena multidão resolve linchar um menino que assaltou uma casa; outras vezes numa torcida que se degladia com outra no estádio, ou em um louco que joga um avião sobre o prédio do “inimigo”. Ou muito comumente, em rapazes que se armam de fuzis nas comunidades carentes e assaltam e aterrorizam, cirando um pandemônio para todos.

O instinto de caçador quer ver sangue. É só reparar o quanto reúne curiosos um acidente de automóvel ou uma pessoa morta estirada na rua para constatarmos o quanto a morte mobiliza os passantes.

O instinto do caçador se transformou em um instinto destruidor. E, se manifesta – consciente ou inconscientemente – nos mais diversos níveis. É ele quem está por trás do impulso auto-destrutivo do homem. É ele quem está por trás também dos pequenos ou grandes desrespeitos cotidianos à natureza.

Se quisermos desarmar a bomba, precisamos ir até ela. Só com o entendimento dos meandros da subjetividade seremos capazes de reverter o sentido que temos dado ao nosso “impulso evolutivo”. Só mergulhando mais fundo em nós mesmos do que as raízes do comportamento destrutivo, poderemos inverter o processo. Só com a popularização de todas as terapias, métodos de autoconhecimento, técnicas de meditação e etc, poderemos sensibilizar o homem. E, uma vez sensibilizado, o homem capaz de sentir verdadeira e plenamente a fragrância de uma rosa, dificilmente será capaz de apertar o botão de uma bomba atômica. O homem de plena sensibilidade respeita o meio ambiente não porque aprendeu que isso é o certo, ético ou por que a lei manda, ou por querer ser “direitinho” com a sociedade. Ele respeita as sensibilidades em volta, por que se identifica com elas. Ele respeita a vida por que pode tolerá-la em si, por que pode desfrutá-la plenamente.

A verdadeira revolução, se possível for, não se dará pelas armas, mas pela compreensão. E essa virá do empenho individual – e intransferível – de cada um por conhecer e pacificar o seu universo interno. O dia em que estivermos equilibrados internamente, nossos atos certamente contribuirão para o equilíbrio externo.

Se você é uma das almas sensíveis com desejos sinceros de salvar o mundo, comece por salvar a si mesmo e terá feito muito. Comece por fazer uma revolução interna. Por mergulhar nas profundas águas de seu mundo subjetivo, e permitir que as coisas aí dentro se ordenem. E, você vai se surpreender em como muitas e tantas outras coisas começarão a – espontaneamente – se ordenar em volta de você. Essa maneira pode parecer trabalhosa, longa, desafiante e até perigosa, mas é a única capaz de realmente mudar – para melhor – a sua vida e a do planeta.

Não percebemos, mas o que fazemos com o planeta é o que fazemos conosco mesmos. Se não desarmarmos o que há de belicoso em nosso espírito, continuaremos, consciente ou inconscientemente, rápida ou demoradamente, a colaborar com a destruição do planeta. Trabalhe a si mesmo internamente e você se perceberá dando a melhor contribuição que pode dar por um mundo e uma vida melhor.

.

Leia também:

“Os Sentidos Internos”

http://pedrotornaghi.com.br/blogger/?page_id=375

Lar é onde o Coração Está

http://pedrotornaghi.com.br/blogger/?page_id=781

“A Ciência da Felicidade”

http://pedrotornaghi.com.br/blogger/?page_id=704

.

Se você gostou do artigo e deseja publicá-lo em seu blog ou site sinta-se à vontade e, por favor, lembre de citar a fonte
Share

43 Responses to O Lugar Certo

  • Sonia Thiago:

    Pedro,
    Após ler o texto “Chacra do Coração”, resolvi dar uma “espiada” no seu site. Surpreendente a mensagem de hoje, pois vem ao encontro do que tenho buscado há algum tempo: fazer uma revolução no meu interior. E tem sido bastante positivo o meu trabalho: já consigo ver o resultado de algumas atitudes minhas. Claro que estou no comecinho. Daí ser muito importante ouvir pessoas sensíveis e ler o que escrevem. Obrigada pelo texto.
    Abraço,
    Sonia.

  • Concordo Plenamente Pedro,
    Certamente! As transformações evolutivas se dão de dentro pra fora e não de fora para dentro.
    O homem moderno esqueceu-se do SER para dar relevância ao TER –
    Cobranças das sociedades ocidentais modernas e essencialmente materialista imprimiram este modelo competitivo, injusto e consumista, que se agravou depois da 2ª Grande Guerra, com uma necessidade emergente de TER, TER, TER acima de tudo. Fato comprensível até, após tanta carência material, fome e sofrimento. Porém a exacerbação desta necessidade de TER, explorada pelos Sistemas Capitalistas de todo mundo, gerou as sociedades modernas atuais – Lamentável constatação!!!
    Eu como Educadora que sou, estou consciente que este modelo de procurar a solução fora de si mesmo é um engodo. No meu trabalho uso a Arte e a Poesia para fazer acordar este SER e trabalhá-lo.
    Acredito eu que não haja outro caminho se não o do autoconhecimento, prioridade 0 para se ter um projeto de vida que desenvolva as potencialidades individuais de cada um, em prol de que relaização pessoal se dê dentro de um contexto social, inserindo o indivíduo como agente modificador e criador de uma Sociedade melhor, de um Mundo melhor, num trabalho de dedicação e amor para evolução deste “planetinha”.

  • kari lage:

    QUE TEXTO MARAVILHOSO, PARABÉNS AO AUTOR E AO DIVULGADOR,É DISSO QUE PRECISAMOS TENHA A CERTEZA QUE ASSIM VC ESTÁ CONTRIBUINDO E MUITO PARA UM MUNDO MELHOR, E NESTE MOMENTO EU JÁ FAÇO PARTE DELE. CONTE COMIGO

  • Carmen Hespanhol:

    Concordo com as três colegas acima. E em minha jornada neste
    planeta, tô apreendendo a parar com críticas, e não esperar que
    ninguém mude. E a partir do momento que eu mudo, o entorno tb.
    Sem ansiedade, vivendo plenamente cada momento, fazendo o
    meu melhor, tudo se transforma p/ o bem de todos! Abração.

  • silvia vaz (ma gyan ajasta):

    Ai pedro….parabens

  • Sua lucidez nos permite enxergar a luz, grata pela sua amorosa dedicação a melhorar o ser humano tão carente de realidade, que toda ilusão seja aplacada e surja uma verdadeira civilidade consciente e que saibamos desfrutar da alegria que é vier, compreendendo dificuldades e dores, amores e sabores que colorem a vida! Namastê, grande pessoa!!!!!

  • Julieta:

    É isso aí Pedro. Você colocou de uma forma muito clara neste texto, como andamos e nos comportamos pela vida, nesta sociedade atual. Egoístas, consumistas ao extremo, predadores e abusando e desrespeitando a terra que nos sustenta e alimenta. Vivemos como se não houvesse amanhã e querendo forjar uma felicidade a todo custo, buscando fora aquilo que está dentro, mas como você bem escreveu, o coração dos homens está obscurecido pelos desejos mundanos de um TER, TER, TER sem fim, procurando a felicidade onde certamente ela não está.
    abraços,
    Julieta

  • Felomenia Pinho:

    Pedro, o seu texto diz muito sobre o CAMINHO para o reencontro com a nossa ESSÊNCIA. Também observo que a melhor solução para as nossas questões atuais seja o cuidar do nosso SER, dando o melhor exemplo para que outros encontrem o seu curador interno.

    Grata pela possibilidade de estar em contato consigo e aprender um pouco mais.

    Abraço,
    Felomenia Pinho

  • marisa marins viola:

    Obrigada, Pedro, pelo acolhimento. Quanto ao texto é primoroso. São pra lá de interessantes e verdadeiros os textos Sufis – além, é claro, da simplicidade.
    Quanto a você, sua sensibilidade e amorosa conduta me faz sempre refletir sobre atitudes intempestivas (reativas) que ainda teimo em realizar. Mas a boa notícia é: estou no caminho.
    E a estrada é longa para que eu possa abraçar de dentro uma vida pro-ativa.
    Bjs.Marisa.

  • Delmam Assis de Sousa:

    Muito bom, Pedrinho! Demorado abraço:) <3

  • Bernardete Seroy:

    Amei de verdade, grata por dar-me este presente…..bjusss

  • NILDES SAMPAIO:

    Há muito lhe encontro e reencontro. Suas mensagens sempre iluminando nossas mentes e corações. Gosto e vivo sinceramente buscando harmonia interior para que exteriormente não precise de caricaturas. Tenho uma família que amo e que cuido para que apreenda o máximo da vida. Obrigada pelo texto oportuno e sinalizador. Abraço fraterno, Nildes Sampaio

  • Sandra Ramos de Castro Silva:

    Pedro.
    Primeiramente obrigada por ter me adiconado. Pôxa, como você escreve claro e verdadeiro. Gostei muito! Parabéns! É disto que a humanidade precisa. Bom descanso! Até!

  • naira alcantara figueiredo:

    Lindas palavras para se refletir. Um abraço!

  • Pedro

    O seu texto me fez lembrar do Mestre Jung e sua visão sobre a nossa sombra. Há um livro que se chama “Ao encontro da Sombra” que, entre outros, falam de nossa sombra. Se conseguirmos tornar consciente o nosso inconsciente e também assimilarmos a nossa sombra talvez consigamos chegar a individuação proposta por Jung. Mas também, é importante lembrar, a Astrologia é uma ótima ferramenta para o autoconhecimento.

  • Gerson L roos:

    Obrigado pelas gentis palavras meu novo e bom amigo. Tb concordo que com a transformação interna as irradiações externas de bem-aventurança seriam inevitáveis. E são imprescindíveis. Abraço, Gerson

  • Edison da Silva:

    Pedro Tornaghi, querido e recente amigo. Obrigado por esta bela reflexão, que também serve como uma mensagem subliminar para muitos.
    Compartilho com voce da mesma filosofia para melhoria do planeta. Creio que a reforma intima é a chave para um mundo melhor, gostaria que você escrevesse sobre este tema: reforma íntima. Há um livro interessante de ser indicado aos teus leitores: Reforma Íntima Sem Martirio.
    Um abraço e um beijo em seu coração. Fique na PAZ e que ela seja perene em teu cotidiano.

  • Pedro Tornaghi, Nada acontece por acaso estou na internet há pouco tempo, já tive o prazer de adicionar e ser adicionado por algumas dezenas de bons amigos, mas, VOCÊ É UM PRÊMIO, pois sua visão e sua filosofia, se coadunam coma minha… parabéns e obrigado

  • jose dalmo ribeiro ribas:

    Nasrudin:enfim me é dada a oportunidade de saudá-lo como Mestre. Enquanto se procura a chave no jardim, ela permanece perdida no quarto escuro. Gostei muito: quero fazer um curso de meditação e com certeza ele não se dará no jardim!

  • Primeiramente falta conscientização e compreensão do “eu” interior.Deve-se trabalhar isto para depois dar um passo que é ir diretamente às pessoas e/ou órgãos ligados aos problemas para tentar ou solucioná-los.

  • Nilce:

    Olá Pedro estou ainda em estado de magia,quero e preciso aprender; nada sei, obrigada pela oportunidade, abraços.

  • Pedro, muito obrigada por compartilhar este texto maravilhoso que nos guia para a luz nesses caminhos tortuosos, em busca da evolução interior! Passamos por uma grande transformação cósmica no planeta, e para seu momento especial de “salto quântico” precisamos usar o “Poder do Agora” que é um livro que amo escrito por Eckart Tolle. Ele é incrível e acerta na mosca quando fala da necessidade de desapego e de nos libertarmos do passado e nos concentrarmos no presente que é tudo o que temos. Passamos boa parte da vida tentando reter o passado e adiando nossas conquistas para algum dia distante quando internalizamos que seremos felizes. Esquecemos de ser felizes no processo. Nada é permanente…Aja com simplicidade, apenas aceite a vida como ela é. Cuide do seu jardim para atrair as borboletas…. Nós não nos damos conta com facilidade do fim das coisas, isso é o inexorável na vida! Era necessário este aprendizado! Não se aborreça, nem se indigne, apenas encare com serenidade. Não podemos controlar a vida nem as pessoas. Agora é fluir com o ritmo da vida. Precisamos nos tornar conscientes dos pensamentos e emoções que nos impedem de vivenciar plenamente a alegria e a paz que estão dentro de nós mesmos. Nosso verdadeiro poder está nas escolhas que fazemos.Podemos ser mais conscientes e responsáveis através das nossas atitudes!
    Continue trilhando este belo caminho de luz e conquistando mais admiradores-guerreiros dispostos a se desarmar para receber o amor divino em suas vidas!

  • licia castro:

    Oi amigo, e onde começou esta história de dentro e fora …….eu e o outro? Seria bom nos lembrarmos dos ensinamentos preciosos do Buda : Interdependência …..interdependência…..!!! Ai a mente deludida !!!!! Obrigada pela mensagem..

  • vanni:

    Olá PEDRO.. concordo plenamente com vc e adorei o texto, lindo demais, obrigado por esta oportunidade. Temos que nos encontrarmos primeiro, para que possamos ajudar nosso próximo, nossos chakras têm que estar equilibrados. Nosso eu é luz, o ser humano é constituido por um conjunto de energias que estabelecem uma ligação de equilibrio do corpo físico com o etérico. O corpo etérico é uma camada de energia que envolve o corpo físico, é o mais pesado depois deste, e segue totalmente sua forma, constituindo a base energética, bem paro por aqui, a meditação é fundamental, procuro estar sempre equilibrada e ajudando ao nosso próximo. Abraço fraterno …muita paz meu amigo!

  • Grata Pedro.
    Amei ter lido esse texto.
    Nos faz entender que existe dentro de cada um de nós uma parte esperando ser despertada, para podermos alcançar nossa força interna, mas infelizmente como somos impacientes também vivemos procurando fora de nossa alma, algo que está bem dentro da gente como uma chave perdida para sermos plenos e felizes! E a nossa maior aliada é a nossa consciência quando está desperta!
    Foi bem essa mensagem que o texto me passou: despertar!

    Abraços.

  • Biia:

    Sábias palavras,pena que são poucas as pessoas que gostam de ler. Espero fazer parte desse maravilhoso mundo, pois não são todos os que conseguem entrar.
    Beeijos; D

  • Heloisa de Paula Moreira:

    FANTÁSTICO…PARABÉNS…VAI DE ENCONTRO A TODAS AS MINHAS TEORIAS E SENTIMENTO, MAS COMO É DIFÍCIL PARAR E MEDITAR. BEIJOS. HELOISA.

    Imagino Heloísa, não posso parar por você, mas vão aqui dois ditados para te estimular “o que arde cura, o que aperta segura” e “quando vale a pena, não se mede a novena”. Grande abraço. Pedro

  • deia:

    Adorei, realmente foi direto e fundo

  • angela coutinho:

    Bom dia, Pedro. Obrigada por essa mensagem tão fundamental. É o nosso esforço de cada dia, conosco e com quem atendemos. Procurar a chave onde a perdemos e não embaixo do lampião. Grande abraço

  • Quando sabemos onde procurar e o que procurar tudo se torna mais fácil. A inquietação e sede que se tem, é bom que permaneça, para que a acomodação não nos vença. Boa e oportuna reflexão para esses tempos de procura e inquietação!

  • LUIS ROBERTO SILVA:

    LINDO TEXTO, PARABÉNS. UM GRANDE ABRAÇO…

  • ECLEIA VINCOLETO GONÇALVES RIBEIRO:

    Fui dar uma expiada em seu blog e gostei …pena que hoje em dia poucas pessoas gostem de ler……mas sou da geração que para aprender tinha que ler..senão ficava na burrice da vida….. e assim etá acontecendo com esses jovens de hoje, de amanhã. Grande abraço e uma boa noite Pedro

  • Lucia Beatriz Beltrão Barcelos:

    Bom dia Pedro! tenho certeza de que era isso que eu estava precisando ouvir. Eu realmente ando procurando as chaves do lado de fora e realmente não as estou encontrando. Ainda sou muito leiga no assunto, agora é que estou tentando me encontrar, por isso peço-lhe ajuda, fiquei conhecendo você através da minha irmã que mora aqui em São Paulo. Mas preciso realmente me encontrar, por isso peço que me ajude e tenha um pouco de paciência comigo. Essas mensagens são lindas e é por ai que vou começar. um grande abraço e muito obrigada.

  • Geovane da Conceição Nepomuceno:

    Nossa, fiquei impressionado com tamanha sensibilidade, precisava muito ler esse texto e refletir, porque o erros estão em nós mesmos, muita das vezes somos egoístas e, mesmo com tamanho egoísmo, esquecemos de nos analisar internamente.
    Obrigado, acredito que foi Deus que mandou você como um novo amigo, para responder algumas dúvidas que tenho em minha vida.
    Que Deus o abençoe e a toda sua família.

  • Pedro,
    Obrigada por compartilhar tão bela mensagem de amor.
    Abraços,
    Mônica Brandão

  • “PROCURANDO NO LUGAR CERTO”

    Excelente parábola, amigo PEDRO (Nome de meu bisneto).
    Está muito de acordo com meu modo de ver.
    Ainda ontem divulguei um texto no Facebook com ideia sobre o assunto.
    Por sinal meu trabalho tem sido buscar divulgar a prática do ESCANDIR poemas, especialmente o verso decassílabo heroico.
    Podemos fazer um diagnóstico do mundo, também em consonância com a parábola “PROCURANDO NO LUGAR CERTO”: falta sensibilidade.
    Falta sensibilidade aos maiores criminosos que são os governantes do poder executivo, legisladores e julgadores, cujos crimes se multiplicam na população, especialmente a população mais carente, carente de escola, de assistência médica e até de pão. Para nãoo dizer algo sobre os que decaem para a mendicância.
    Tenho conseguido alguma coisa, através dos meios de comunicação social, por exemplo no ORKUT: comunidade ESCANDIR e outras, através de e-mails, – por sinal descobri que para diminuir o recebimento de e-mails, basta convidar os remetentes para participar da comunidade ESCANDIR, do Orkut.
    Não tem sido nada fácil fazer meu projeto seguir adiante, mas alguma coisa tem sido alcançada.
    Tudo de Bom.
    Vamos em frente.

  • Pedro:

    Excelente parábola.
    Convido-o a postá-lo dentro da comunidade ESCANDIR, no ORKUT.

  • Dioclécio Gasparotto:

    Concordo plenamente, estamos acostumados a olhar para o lado e não para nós mesmos, vemos as falhas dos outros e não enxergamos as nossas; é um ensinamento simples, observai a Natureza e aprendei com ela. Ela segue sua marcha, muda se adéqua, só nós, os seres “humanos”, é que estamos demorando para aprender a lição da convivência em todos os sentidos com nossos irmãos nos diversos reinos da criação.
    Dioclécio Gasparotto
    14 de Setembro de 2012

  • Eurico Moreno Coccaro:

    Fazemos tantas coisas absurdamente erradas e ofensivas à natureza que, na maioria das vezes, não temos coragem de “olhar para dentro de nós”, pois sentimos remorso. Realmente é difícil, muito difícil, mas precisamos vencer esta etapa e procurar compreender o porque de nossas atitudes e, daí, procurarmos a mudança necessária. Devemos ter a consciência de seres em imperfeitos em evolução, aceitar aquilo que fizemos e apreender com nossos erros, procurando a cada dia evoluir em direção à luz, à sabedoria, à procura da perfeitação que sabemos estar muito longe de nós. Mas o que importa é caminharmos nesta direção. É o que tento diariamente, aparar arestas e evoluir.

  • Bero:

    É isso mesmo !!!

  • Pedro Paulo Rodrigues Guimarães:

    De dentro para fora se dão as mudanças fundamentais que precisamos de fato fazer em nós mesmos para vivermos melhor e fazermos o melhor. Com honestidade, boa vontade, aceitação, que é um ato de amor e ação, porque sem ela nada acontece. Muitíssimo obrigado Pedro por compartilhar essa belíssima mensagem. Parabéns!

  • De dentro para fora se dão as mudanças fundamentais que precisamos de fato fazer para vivermos melhor e fazermos o melhor. Com honestidade, boa vontade e aceitação, que é um ato de amor e ação, porque sem ela nada acontece. Muitíssimo obrigado Pedro pela sua belíssima mensagem. Parabéns!

  • Maria de Lourdes Fiorotti Cypreste:

    Oi Pedro, lendo este texto, nas minhas lembranças do facebook, qual vc compartilho comigo me adicionando aos seus amigo. É renovador e muito pertinente ao momento em que se discute mundialmente a questão do meio ambiente, vemos que atitude individual de um poderoso reflete no todo, como a reforma íntima individual é a saída, pois este chegou ao poder por que muitos pensam como ele e o levaram a este posto … Precisamos ampliar nossa consciência individual para refletir num coletivo harmonioso e de PAZ!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>