Pesquisar

Categorias

Arquivos

Favoritos

Poesia de Rumi

.

.

.

“Sua tarefa não é buscar amor,
mas meramente buscar e encontrar
dentro de si mesmo,
todas as barreiras que você ergueu contra ele.”
Rumi

.

.A Poesia Mística e Amorosa de Rumi

.

Pedro Tornaghi

.

.

.

Pouco conhecido no Brasil, o sufismo é uma fraternidade espiritual nascida na antiga Pérsia e marcada pela busca de liberdade interna. Seus adeptos são, muitas das vezes, artistas, poetas, músicos, dançarinos, atores, que se utilizam da arte como meio de afinar sua espiritualidade. Dessa maneira, eles se destacam por criar meditações criativas e inspiradas, alegres e despojadas.

O sufismo é um movimento espiritual que se infiltra em todas as demais escolas espirituais e religiões e tenta extrair de cada uma delas suas verdades mais íntimas e secretas. Sua essência é aceitar qualquer experiência e decifrar a inteligência camuflada por trás dela. Dessa maneira, um sufi nunca evita uma experiência, mas busca usá-la, seja qual for, como caminho para a vivência da espiritualidade.

O caminho dos sufis rumo à realização espiritual passa sempre pelo coração. Ser um sufi significa viver um caso de amor com a espiritualidade, envolvendo a paixão fervorosa de um amante e a maturidade tranqüila de um amor fraterno.

Pode-se mesmo dizer que os dois referenciais máximos do sufismo são o a liberdade e o amor. Rumi, poeta sufi do século XII resume este espírito em seus versos: “Ó amantes, abandonai as tolas ilusões. / Enlouquecei, perdei de vez a cabeça. / Erguei-vos do fogo ardente da vida / – tornai-vos pássaros, sede pássaros” O arrebatamento que Rumi evoca é a matriz do comportamento sufi, a entrega sem limites, sem medir as conseqüências e principalmente, sem medir o quanto se dá e o quanto se espera de volta, a entrega total como se não houvesse outra coisa a ser feita. A entrega que só conhecem aqueles que estão embriagados pela paixão.

Rumi pede em seus versos uma atualização constante do sentir, “Limpa teu coração dos velhos rancores, / lava-o sete vezes / e serve o vinho do amor / torna-te o amor.” Esse é o cerne do sufismo, amar infinitamente o finito, de forma que o contato com o infinito não esteja fora, mas dentro de si. Amar tão infinitamente, que não é preciso alcançar algo fora de si que contenha, como “prêmio”, a espiritualidade, mas que essa própria intensidade e pureza de amor, possa traduzir o néctar da espiritualidade.

Dessa maneira, para o sufi, mais importante que “o que” fazer, é “como” fazê-lo, com que sinceridade interna, com que inteireza, com que intensidade de doação de si. Assim, segue Rumi no poema: “Enche tua alma de todo o amor, / transforma-o na alma suprema. / Senta à mesa dos santos, / embriaga-te, sê o vinho.” Sim, “sê o vinho”, quem é capaz de reconhecer o próprio nectar e embriagar-se dele? Todos o são, potencialmente, mas na prática, quantos o fazem? “Dentro do coração emperdenido do homem / arde o fogo que derrete o véu de cima abaixo. / Desfeito o véu, / o coração descobre as histórias de Hidr / e todo o saber que vem de nós.” Sim, o mestre sufi aponta o tempo todo para isso: o grande saber não está em nenhum livro, mas no centro do peito da pessoa; Rumi, um dos maiores intelectuais e eruditos de sua geração, achava a erudição um perigo, que poderia afastar a pessoa de sua fonte mais pura de sabedoria, o coração. Por isso, não se contentou em criar algumas das mais belas e populares poesias persas de todos os tempos, mas criou também a mais famosa meditação sufi, o sama, o giro dos Dervishes.

Para conhecer a riqueza do universo sufi, é necessária a prática, mais que qualquer conhecimento escrito. Como diz Rumi, “A palavra surge da alma, / mas diante dela se apequena / …ter sabedoria e vertê-la em palavras / é a honra maior a nós concedida, / mas, diante do sol da verdade, / fala e saber minguam e desaparecem”. Esse foi o recado de Rumi e tem sido o de todo o movimento sufi: se você quer conhecer a verdade interior, leia o quanto quiser, ou simplesmente não leia, mas, “pratique”, se você quer falar sobre espiritualidade, conheça-a primeiro, de verdade. O meio para isso pode ser praticar as meditações sufis. Com o coração.

.

Leia também:

“Poesia de Kabir”: http://pedrotornaghi.com.br/blogger/?page_id=636 

Sufis, a Espiritualidade Através da Arte: http://pedrotornaghi.com.br/blogger/?page_id=29 

Amor de Consciência: http://pedrotornaghi.com.br/blogger/?page_id=406 

Chakra do Coração: http://pedrotornaghi.com.br/blogger/?page_id=294.

.

.

.

Vem,
Te direi em segredo
Aonde leva esta dança.

Vê como as partículas do ar
E os grãos de areia do deserto
Giram desnorteados.

Cada átomo
Feliz ou miserável,
Gira apaixonado
Em torno do sol.

Rumi – Poemas Místicos

.

.


.

.

Faltam-te pés para viajar?
Viaja dentro de ti mesmo,
e reflete, como a mina de rubis,
os raios de sol para fora de ti.
.
A viagem conduzirá a teu ser,
transmutará teu pó em ouro puro.

 .

.

.

.

Quero fugir a cem léguas da razão,
Da presença do bem e do mal me liberar.
Detrás do véu, tanta beleza: lá está meu ser.
Quero me enamorar dele, ó vós que não sabeis!

.

.

.

.

- Vem ao jardim na primavera, disseste.
- Aqui estão todas as belezas, o vinho e a luz.
Que posso fazer com tudo isso sem ti?
E, se estás aqui, para que preciso disso?

.

.

Ontem à noite, confidencialmente, eu disse ao velho sábio:
- Não me esconda nada dos segredos do mundo!
Muito docemente, ele me disse ao ouvido:
- Chut! Podemos compreender, mas não exprimir!

.

.

.

.

Os pés e as mãos conhecem o desejo da alma
Fechemos pois a boca e conversemos através da alma
Só a alma conhece o destino de tudo, passo a passo.

Vem, se te interessas, posso mostrar-te.

.

.

.

.

‎”Em cada coração há uma
janela para outros corações.
Eles não estão separados,
como dois corpos.
Mas, assim como duas lâmpadas
que não estão juntas,
sua luz se une num só feixe.”

.

.

.

.

Eu soube, enfim, que o amor está ligado a mim;
E eu agarro esta cabeleira de mil tranças.
Embora ontem à noite eu estivesse bêbado da taça,
Hoje, eu sou tal, que a taça se embebeda de mim.

.

.

.

.

O ser humano é uma casa de hóspedes.
Toda manhã uma nova chegada.
A alegria, a depressão, a falta de sentido, como visitantes inesperados.
Receba e entretenha a todos, mesmo que seja uma multidão de dores
que violentamente varre sua casa e tira seus móveis.
Ainda assim trate seus hóspedes honradamente.
Eles podem estar te limpando para um novo prazer.
O pensamento escuro, a vergonha, a malícia, encontre-os à porta rindo.
Agradeça a quem vem, porque cada um foi enviado como um guardião do além.

.

.

.

.

Esqueça a espuma e contemple o mar, noite e dia!
Você vem olhando para a ondulação da espuma e não para o poderoso mar;
Como barcos, somos jogados daqui para ali,
Somos cegos, embora estejamos no brilhante oceano;
Ah! Você que dorme no barco do corpo,
Veja a água; contemple a Água das águas!
Sob a água que você vê, há outra água que a move,
Dentro do espírito há um espírito que o chama.

.

.

Ainda que a água salgada
faça nascer mil espécies de frutos,
abandona todo amargor e acridez
e guia-te apenas pela doçura.
É o Sol da revelação que opera todos os milagres:
toda árvore ganha beleza,
quando tocada pela luz.

.

.

É bom deixar todos os dias para trás,
como água corrente, livre de tristeza.
Ontem foi, e sua história contada.
Sementes novas hoje estão crescendo…

.

.

No inverno, os ramos nus
que parecem dormir
trabalham em segredo,
preparando-se para a primavera.

.

.

“Ontem eu era esperto,
então eu quis mudar o mundo.
Hoje eu sou sábio,
então estou mudando a mim mesmo”

.

.

“Chegou a hora de transformar o seu coração
em um templo de fogo.
Sua essência é o ouro escondido na poeira.
Para revelar seu esplendor
você precisa queimar no fogo do amor.”

.

.

.

Sê como o Sol para a Graça e a compaixão.
Sê como a noite para encobrir os defeitos alheios.
Sê como uma corrente de água para a generosidade.
Sê como a morte para o ódio e a ira.
Sê como a Terra para a modéstia.
Aparece tal como és.
Sê tal como pareces.

Se pudesses libertar-te, por uma vez, a ti mesmo,
o segredo dos segredos se abriria para ti.
O rosto do desconhecido, oculto além do universo,
apareceria no espelho da tua percepção.

.

.

“Mais além da noção de agir correta ou incorretamente, há um campo… lá eu encontrarei você.”

.

.

“Quando lidamos com o amor sem expectativas, cálculos ou negociações,

estamos já no céu.”

.

.

“A inspiração que procuras já está dentro de ti. Fique em silêncio e escute.”

.

.

“Eu não sei muito, estou apenas intoxicado com um copo  de amor.”

.

.

Não pertenço a qualquer religião
Minha religião é o amor
Cada coração é meu templo

.

.

”A escuridão pode esconder árvores
e flores dos olhos,
mas não é capaz de esconder
da alma o amor.”

.

.

“A verdadeira beleza é um raio
que brota das profundezas intangíveis da alma
e ilumina o corpo, assim como a vida
brota da semente de uma pedra e
dá cor e aroma a uma flor.”

 .

.

“Gratidão é o vinho
para a alma.
Vá em frente,
Embriague-se!”

.

.

“Sua tarefa não é buscar o amor, e sim, buscar e encontrar dentro de você todas as barreiras que você ergueu contra ele.”

.

.

“O divino escreve mistérios espirituais em seu coração,
onde eles esperam silenciosamente por serem descobertos.”

.

.

.

.

“É bom deixar todos os dias para trás,
como água corrente, livre de tristeza.
Ontem foi, e sua história contada.
Sementes novas hoje estão crescendo…”

.

.

.

.

“Você aprende pela leitura,
Mas a compreensão vem com o amor.”

.

.

.

.

“Agradecer pela abundância é mais doce que a própria abundância.”

.

.

.

.

“O silêncio é a linguagem do divino,
Todo o resto é má tradução.”

.

.

.

.

“O que foi dito à rosa que a fez abrir-se, foi dito a mim aqui no meu peito…”

.

.

.

.

“Deixe as águas internas se acalmarem.
Você verá estrelas e a lua espelhadas no seu ser.”

.

.

.

,

.

“Tudo no universo está dentro de você. Pergunte tudo de si mesmo. ”

.

.

.

.

.

.

.

.

….


Share

87 Responses to Poesia de Rumi

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>