Pesquisar

Categorias

Arquivos

Favoritos

Meditação e Respiração

Meditação e Respiração

 .

Pedro Tornaghi

 .

.

.

A meditação começa onde a mente acaba. A meditação é um estado de consciência onde se percebe a vida sem a interferência da mente. Todas as técnicas de meditação das mais diversas linhas foram desenvolvidas para propiciar esse estado de percepção, mas nenhuma técnica é, por si só, a meditação. 

Para o indiano, a vida foi criada do encontro de Purusha (o espírito “imanifestado”) com Prakriti (a natureza palpável, o universo manifestado). Vivemos normalmente com consciência do reino do manifestado e inconscientes de nossa parte imanifesta. 

Purusha é a força organizadora que se encontra por trás da matéria, e está presente em todos os nossos momentos e atos. Cada um de nós tem uma contraparte pessoal no reino do imanifestado, o nosso “Purusha Individual”. Esse “Purusha Individual” testemunha tudo o que fazemos no mundo material. Meditação é estarmos conscientes de nosso Purusha – de nossa dimensão imanifestada – enquanto nos relacionamos com o mundo cotidiano. 

Muitas técnicas foram criadas para facilitar esse estado de consciência, algumas se utilizam de mantras, outras da respiração, de trabalhos com chakras e de diferentes posturas físicas e atitudes mentais e emocionais. Mas, há algo que é fundamental e que está presente nas mais diversas técnicas: o ato de “testemunhar” o aqui e o agora. Esse testemunhar nos deixa sintonizados com o Purusha e facilita com que progressivamente nos desidentifiquemos de nossa mente e enxerguemos mais amplamente a realidade. 

Como a atitude normal do Purusha é testemunhar aquilo que nos acontece, ao desenvolvermos a “arte de testemunhar o momento”, nos tornamos afinados com Purusha e isso acaba nos levando a percebê-lo em atividade. 

A mente vive de linguagens aprendidas no passado, dessa maneira, ao nos identificarmos com aquilo que pensamos, estamos sempre nos furtando a experiência presente. A mente se estrutura baseada em crenças. Cremos que somos de uma determinada religião, torcedores de um certo time de futebol, adeptos de uma tendência política; e vamos, com essas idéias, criando uma falsa sensação de pertencer a um grupo. Vamos criando uma falsa noção de nós mesmos, e perdendo a chance de nos percebermos em toda a nossa riqueza. A meditação atua no sentido oposto, e vai aos poucos diluindo nossas crenças, libertando-nos da estreiteza de visão e revelando a nossa capacidade de nos percebermos tal e qual somos. 

É normal nos contentarmos em pensar que somos o que indica a nossa posição social. Por exemplo, sou um astrólogo, ou médico, engenheiro, funcionário de uma empresa ou qualquer outra coisa. Mas, e se eu deixasse de ser esse profissional, continuaria sendo eu? Sim, claro. Quem sou eu então? Com frequência procuramos adjetivos para nos qualificar: sou um bom filho, um bom pai, um bom funcionário. Mas, se perco minha família ou meu emprego, continuo sendo eu, então, sou algo mais do que um filho ou funcionário. Muitas vezes, nossa mente nos leva a nos identificarmos com nosso corpo. Fazemos ginástica, cuidamos de nossa alimentação, dizendo a nós mesmos: “estou cuidando de mim”. Mas, se perdermos um braço, continuaremos sendo nós mesmos, se perdermos ambos os braços, e até as pernas, continuaremos sendo nós mesmos, inteiramente. Acabaremos percebendo que não somos nosso corpo, mas algo mais. 

Todas essas, são idéias que a mente cria de nós mesmos, e acabam substituindo o real contato, provocando o desconhecimento de quem somos em essência. 

Dentre os muitos caminhos para “desmontarmos” a idéia da mente acerca de nós mesmos, existem as meditações baseadas na respiração. A respiração é uma companheira interessante que carregamos conosco, mas não a usamos em todo o seu potencial. Algumas das funções de nosso corpo são ativadas com o nosso comando consciente. Por exemplo, posso pedir ao meu braço que se levante e pegue a xícara de chá para mim, posso pedir às minhas pernas que se movam, e me levem para a rua. Outras funções vitais, como a digestão ou os batimentos do coração, que nos acompanham diariamente, acontecem de forma independente de nossa vontade consciente. A respiração em parte pode ser controlada pela vontade consciente e em parte é independente dela. Posso decidir respirar profunda e lentamente, posso prender o ar ou não ao final de uma inspiração. Isso eu posso decidir, mas não posso pedir ao meu corpo que pare de respirar até que eu morra. 

A respiração se situa entre o mundo da vontade consciente e o nosso universo inconsciente, que funciona independente de nossa mente. Dessa maneira, ela se torna uma ponte valiosa entre o mundo que conhecemos e a parte que desconhecemos em nós. Pela respiração podemos em um primeiro momento acalmar a mente e isso é muito valioso para que possamos nos tornar livres dela. Não conseguimos nos jogar de um trem em velocidade, mas, de um trem lento, conseguimos saltar até com um certo conforto. A mente é um trilho do trem, nossa consciência “total” é o outro trilho. Os dois andam sempre paralelos, parecem que se encontrarão no horizonte, mas, se você chegar perto do horizonte, perceberá que eles não se encontram lá e entende que não se encontrarão nem mesmo no infinito. Para conhecer essa outra dimensão da consciência, é necessário saltar do trilho da mente. Nesse ponto, a respiração já começa a ajudar, aquietando-a. 

Em um segundo momento, a respiração é capaz de acordar o nosso corpo vital. A mente é por natureza controladora. Ela tenta controlar nossa realidade emocional e com isso, acaba interrompendo a fluidez das funções vitais, emocionais e físicas. O despertar do corpo vital pela respiração acaba possibilitando o liberar dos corpos vital, emocional e físico do corpo mental. 

Quando essa liberdade acontece, a respiração é capaz de nos libertar de condicionamentos que antes bloqueavam a nossa lucidez. 

Num terceiro momento, a respiração pode servir como ponte para que nossa consciência e capacidade de observação passem do palpável ao impalpável. A simples atitude de separar uma hora por dia, sentando-se confortavelmente e se dedicar somente a testemunhar a própria respiração já pode servir de passaporte para a ampliação da consciência, levando-a à sua potencialidade máxima. 

Como a respiração é um elo permanente entre o impalpável e o palpável, começamos por observar sua dimensão mais óbvia. Podemos observar o ar entrando e saindo de nós, o momento em que a onda do ar acaba de entrar e faz a volta para sair, ou como a barriga se mexe durante a respiração. Qualquer pensamento que passe pela cabeça nesse momento, devemos deixá-lo existir, sem brigar com ele. Em vez de tentar reprimi-lo, simplesmente trazemos o foco da atenção para o momento da respiração, e tentamos perceber o pensamento menos nítido do que percebemos a respiração. Como se ele estivesse desfocado. Aos poucos, uma revolução sem precedentes acontecerá em nós. Poderemos experimentar momentos da maior liberdade que um homem pode experimentar: a liberdade da própria mente. 

Se durante a viagem da vida a mente é como um dos trilhos do trem e a consciência plena o outro, cada respiração sua torna-se como um dormente que liga – a cada entrada e saída do ar – um trilho ao outro. Qualquer dormente desses pode servir como a desejada ponte entre a consciência comum e a extraordinária. Incluindo o da respiração que você está fazendo nesse momento.

.

.

Participe do Curso

“Autoconhecimento pela Respiração”:

http://pedrotornaghi.com.br/blogger/?page_id=92

Esse curso é um convite à exploração de novas dimensões de sua vida a partir de mudanças em sua respiração. Nele serão experimentadas meditações baseadas em maneiras de respirar, capazes de revelar potenciais adormecidos e enriquecer a vida com amor, saúde e harmonia.

Em vivências progressivas e inspiradas, você descobrirá como a respiração consciente e profunda leva a uma mudança na qualidade de vida em diferentes áreas, trazendo mais energia ao corpo, relaxamento à mente e uma amorosidade espontânea que torna a vida mais vibrante e agradável.

No plano espiritual, a mudança na respiração proporcionará um silêncio interno que pavimentará o caminho para a meditação profunda, abrindo espaço para sentimentos de êxtase e liberdade interior.

A cada encontro serão experimentadas novas técnicas de meditação e ritmos respiratórios que aumentam a clareza e o discernimento e dão suporte à maior aventura possível a nós, a descoberta de nós mesmos.

O curso será composto de dois módulos de quatro meses cada, com opções de turmas semanais ou de encontros intensivos em um final de semana por mês.

 O primeiro módulo irá até dezembro deste ano, o segundo módulo será opcional e começará após as férias de verão em março do próximo ano.

Curso Semanal:

Início: 31 de agosto de 2016
quartas-feiras, das 16:00 h às 17:45 h ou das 20:00 h às 21:45h.

Curso Intensivo:

Início: 17 de setembro de 2016
sábados de 14:30 às 19:3o h
domingos de 9:00h às 13:00h

Local: Academia Ananda
Av Nossa Senhora de Copacabana 769/102 – Rio de Janeiro
Mensalidade: R$ 290,00
Informações e inscrições: (21) 2508-8608
meditarsempre@gmail.com
ou mensagem pelo site

 

.

.

Leia outros artigos relacionados ao tema:

Respirar é Viver: http://pedrotornaghi.com.br/blogger/?page_id=1497

Explore a Sua Respiração: http://pedrotornaghi.com.br/blogger/?page_id=92

A Trilha Libertadora da Respiração: http://pedrotornaghi.com.br/blogger/?page_id=1471  

Share

10 Responses to Meditação e Respiração

  • Silvia Almeida de Oliveira Costa Martinez:

    Inspirado e inspirador, obrigada, bjssss S _()_

  • Carmem Cecília Magalhães:

    Muito obrigada pela postagem Pedro! É um afago para o corpo e para alma! Bjs

  • Flavio Carvalho:

    Claro,didático e providencial.
    Abs,
    Flavio.

  • Boa noite Pedro Tornaghi…
    Ao longo dos anos venho acompanhando seu trabalho…
    Pessoas especiais, trabalhos especiais…
    Parabéns…Você sempre foi uma referência para todos nós…
    Que o Grande Criador que rege este Universo, lhe envie toda a luz necessária ao seu caminhar nesta dimensão…
    Tenha uma noite de paz…
    Fraterno abraço.’.

  • LEILA RODRIGUES DE SOUZA:

    Delícia de matéria!
    Adoro seu trabalho! Ainda estarei ao vivo fazendo um curso.
    Muita luz no teu caminho.
    G R A T I D Ã O.

  • Valéria Cristina:

    Nossa! Tudo que estava precisando…

    Amei!

  • Marcus André:

    Olá, muito bom! Obrigado por todo o precioso conhecimento.

  • risomar oliveira:

    Adorei suas dicas, não quero perder o seu contato, me adiciona – riso oliveira

  • Gilmara Aparecida Roriz de Oliveira:

    Boa Noite Pedro! Entrei em contato com suas postagens esses dias, gostei muito e estou aqui lendo os seus textos, encantada com o que você escreve. Nossa, que presente! Sou grata por ter chegado até você de alguma forma. Desejo que me adicione para saber sobre cursos, palestras (facebook – Gilmara Luz), não quero perder o contato. Muito grata!!!

  • Luzia Meira:

    Obrigada por compartilhar essa sabedoria.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>